Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Busca De Uma Vida Melhor

Em Busca De Uma Vida Melhor

17
Nov07

Histórico dos Movimentos Anarquistas

EbduVm
O anarquismo desempenhou um papel significativo em muitos dos grandes conflitos ocorridos durante a primeira metade do século XX.
Podemos tomar como exemplos os seguintes acontecimentos:
·         Em 1917 durante a Revolução Russa, verificou-se uma tentativa da  implantação do anarquismo na Ucrânia, tentativa essa, que acabou por ser aniquilada pelo Estado de Lenin.
·         Em 1932, os anarquistas organizados numa espécie de confederação anarco-sindicalista, impediram um golpe militar fascista bem sucedido na Catalunha, tendo sido os primeiros a organizar um movimento para impedir o avanço dos fascistas que, se traduziu na Guerra civil espanhola, durante a qual os anarquistas controlavam um grande território pertencente a Espanha.
·         Após a Segunda Guerra Mundial o movimento anarquista perdeu a sua influência sobre o operariado nos vários países europeus.
Embora o anarquismo tenha perdido alguma da sua influência, continuou a gerar revoltas populares que decorreriam durante a segunda metade do século XX.
 
Anarquismo em Portugal
No final do século XIX ocorreu em Portugal o desenvolvimento de grupos anarquistas, que contribuíram para o derrube da monarquia em 1910. Após este acontecimento, instituiu-se a Primeira República, durante a qual foi fundada a Confederação Geral dos Trabalhadores, que se revelava tendencialmente sindicalista revolucionária e anarco-sindicalista.
Mais tarde, com a instauração da Ditadura Militar em 1926, e depois com a Ditadura de Salazar, foi proibida a actividade dos grupos anarquistas, tendo passado os libertários a se expressarem clandestinamente, sendo alvo de constantes perseguições.
Finalmente com o 25 de Abril de 1974 verificou-se um ressurgimento do movimento libertário, embora a sua manifestação tenha ocorrido de forma mais branda. 


17
Nov07

História do Anarquismo, de Jean Prepósiet

EbduVm
.
 
        Comentário:
A partir da análise das filosofias que estão na origem do pensamento libertário, Jean Preposiet escreveu o seu primeiro quadro histórico completo dos anarquistas no Ocidente.
Ao longo do livro o autor aborda: o percurso político de alguns dos fundadores deste movimento tais como: Proudhon, Stirner, Bakunine ou Malatesta, como também faz uma análise relativa ao papel dos anarquistas durante a revolução russa e na guerra de Espanha.
Neste livro existe ainda espaço para uma análise das várias correntes anarquistas ou libertárias: (antimilitarismo e pacifismo, niilismo e terrorismo, anarco-sindicalismo, situacionismo, ecologia, antiglobalismo) que continuam a mover as sociedades ao longo dos séculos e que colocam a questão da liberdade dos homens que será para sempre eterna.
16
Nov07

Questões frequentes aos Anarquistas

EbduVm
A Instrumentalização da violência
Os anarquistas defendem que a violência contra os indivíduos é uma manifestação de autoridade e vai contra todos os princípios do anarquismo, então, se os anarquistas defendem a não-violência como são explicados os assassinatos praticados por alguns deles?
Segundo o ponto de vista dos anarquistas, a violência surge como necessidade de legítima defesa face ao abuso praticado pelo estado, apesar de, para muitos, esta ser uma manifestação de agressividade e rebeldia que não produz qualquer efeito sobre os órgãos que mantêm a sociedade.
 
Anomia
Anomia não é mais do que, a concepção comum de anarquismo, segundo o qual, este movimento se caracteriza pelo caos e pela desordem, contudo esta ideia é completamente negada pelos anarquistas, que, por sua vez, apontam o governo como principal fonte impulsionadora da desordem, confusão dentro de uma sociedade.

 

Religião e Espiritualidade
Os anarquistas negam a reverência de um deus absoluto, defendendo que o homem deve explorar o seu interior e a sua fé religiosa. Segundo os libertários aquilo que cada um pensa ou crê, não tem qualquer importância desde que a liberdade e os princípios anarquistas não sejam transgredidos.

Tecnologia
A tecnologia é vista pelos libertários segundo dois pontos de vista distintos. Por um lado, os anarquistas em geral não vêem a tecnologia como um mal, mas sim, como um instrumento de potencialidades humanas, podendo contribuir expressivamente para o desenvolvimento produtivo do trabalho. Por outro lado, existe uma versão anarquista denominada anarco-primitiva, que se opõe a qualquer tipo de desenvolvimento tecnológico, defendendo o aperfeiçoamento humano, seguindo métodos pré-civilizacionais.
15
Nov07

A Sociedade Anarquista

EbduVm
Educação avançada, base da coexistência harmoniosa
Os anarquistas sempre tiveram de saber lidar com determinadas questões relativas ao seu modo de organização social, tais como: “Como seria possível uma sociedade anarquista se cada ser humano pensa de maneira diferente?”, “Será que a sociedade não se deixaria levar por conflitos?”.
Para solucionar estes problemas os anarquistas propõem métodos de educação avançados segundo os quais, os conflitos existentes na sociedade seriam resolvidos através de uma democracia directa e não recorrendo à guerra e à violência.
Estes processos de educação permitem também incutir nos anarquistas uma outra forma de fazer justiça, sem nunca recorrerem à violência, pois, esta é uma manifestação de autoridade que vai contra todos os princípios anarquistas.
 
Princípio da Flexibilidade e Naturalidade Organizacional
Segundo o princípio da flexibilidade e naturalidade organizacional defendido pelos anarquistas, não deveriam ser as estruturas organizacionais a promover um desenvolvimento humano efectivo mas sim, as dificuldades quer humanas quer materiais que se opõem aos membros da sociedade.
 
Federalismo Libertário
O federalismo libertário é visto como a origem de qualquer organização anarquista, na medida em que, segundo este conceito a sociedade está dividida em várias federações que, garantem uma maior eficiência nas interacções humanas e sociais.
Este conceito foi criado por Pierre Joseph Proudhon e é visto como a máxima coesão entre o homem e a satisfação das suas necessidades.
 



14
Nov07

Principais Conceitos Anarquistas

EbduVm
 
Princípio da não-doutrinação
Segundo este princípio, o anarquismo não é visto como uma religião, deste modo, cada anarquista tem a liberdade de criar a sua própria doutrina, guiando-se por ela nas suas acções.
Conclui-se, portanto, que nestas sociedades não existe um profeta a quem todos têm de seguir.
 
Socialismo libertário
Os anarquistas auto-denominaram-se socialistas libertários, isto significa, que segundo este sistema de socialismo deveriam ser as associações democráticas, as responsáveis pela gestão de toda a sociedade assegurando-se assim, uma divisão equitativa do controlo sobre os meios de produção.
   
    A Revolução social
A Revolução Social consiste na quebra rápida e efectiva do estado e de todas as estruturas que o regem, através de uma acção revolucionária.
Segundo o socialismo libertário defendido pelos anarquistas, a revolução deve ocorrer de forma consistente e célere de modo a impossibilitar a ressurreição do estado, pois, é desta forma que o homem pode alcançar o estado de liberdade absoluta.
 
Humanismo
Princípio segundo o qual, é valorizada a capacidade de auto-organização do ser humano, após ser submetido a uma educação libertária, assegurando uma organização social regida pela igualdade, procurando incessantemente a liberdade.
 
Liberdade
A liberdade é a base de qualquer pensamento, formulação ou acção anarquista, desta forma uma sociedade só é denominada anarquista se, estiver totalmente imersa no conceito de liberdade, para tal, o autoritarismo terá de ser desprovido de qualquer importância.

13
Nov07

Anarquistas - Origem

EbduVm

Anarquismo é uma palavra que deriva das expressões “na” (não, sem) e archê (governador), que designa um termo que abrange não só teorias políticas como também movimentos sociais, defendendo a abolição do capitalismo e do Estado enquanto autoridade imposta e detentora do poder.

Anarquismo é uma teoria liberaria baseada na ausência da Estado, desta forma, os Anarquistas são contra qualquer ordem hierárquica que não seja aceite por todos, defendendo a formação de organizações libertárias.

Para os Anarquistas, Anarquia significa inexistência de leis e de imposições mas não ausência de ordem, enquanto o censo comum caracteriza o anarquismo pela falta de leis. Verifica-se aqui um confronto de ideias que levantam questões sobre o melhor modo para a manutenção pacífica das relações. Será a natureza humana suficiente para garantir a ordem, ou haverá a necessidade de adoptar uma moral anarquista para assegurar a evolução de uma sociedade? Estas são questões que se levantam naturalmente e às quais procuraremos dar resposta, visto serem aspectos invulgares na nossa sociedade actual contrariando o regime de poder vigente. 

       

11
Nov07

Feng Shui na actualidade

EbduVm
        Os imigrantes chineses que se instalaram nos EUA a partir do início do século XIX construíram estruturas que incorporam os princípios do Feng Shui nos bairros em que se habitaram nas cidades de New York, San Francisco e Los Angeles. O movimento da Nova Era interessou-se pelo estudo de seus princípios. Devido à amplitude deste movimento e à diversidade de seus integrantes, simultaneamente divulgou no Ocidente o seu uso como forma de organizar espaços de um modo sério e banalizou os seus preceitos até ao limite da superstição.


Desde meados do século XX, a sua prática foi considerado ilegal na República Popular da China, inicialmente porque Mao Tse Tung denunciou a tendência de muitos praticantes para o charlatanismo, criando um departamento do governo para supervisionar seu uso. Durante a Revolução Cultural, a maioria dos praticantes desta arte tiveram os seus livros queimados, foram presos e perseguídos, e submetidos a privações extremas devido aos seus conhecimentos da cultura chinesa tradicional. Poucos desejavam ou tinham meios para deixar o país. Assim tornou-se uma prática pouco conhecida pelos jovens na China continental. Este quadro modificou-se recentemente com a rápida modernização do país, que permitiu que o Feng Shui se tornasse um tema de pesquisas importante para as universidades chinesas.


Aqui fica uma divertida animação sobre o Feng Shui, o audio está em inglês brevemente será legendado.


11
Nov07

Tye-Dye

EbduVm

O Tie-Dye é um processo de tingimento onde são isoladas partes do tecido no momento do tingimento, formando efeitos manchados ou em degradé.


 

Materiais:


* Cordel (um rolo grande)

* Tubos de corante para tecido.

* Uma panela grande (de forma a caber a peça de roupa totalmente submersa na água com corante).

* Separe peças de roupas de algodão que quer tingir, podem ser brancas, coloridas, estampadas... a criatividade é sua!


 

Passo1

* Coloque água na panela e deixe ferver.

* Noutro recipiente pequeno, coloque um pouco de água quente e com cuidado despeje o conteúdo do tubo de corante.

* Mexa devagar até dissolver os grãos do corante.

* Misture o corante dissolvido na água da panela e deixe ferver.


 


 

Passo 2

* Enquanto a água ferve, pegue na peça de roupa que você escolheu e dobre-a ou enrole-a amarrando com cordel enrolando diversas vezes ao redor do tecido.

* Amarre com força!

(As partes amarradas não receberam o corante, portanto permanecerão da mesma cor, já as outras partes que não estão protegidas pelo cordel serão tingidas).

 



 

Passo 3

* Depois da peça de roupa estar toda amarrada com cordel (nos pontos em que não quer que a tinta "pegue") coloque a roupa na panela.

* Mergulhe bem certificando-se de que fica totalmente submersa.

* Mexa a água durante o tempo de tingimento, que deve ser entre 20 minutos e meia hora. (Quanto mais tempo a roupa ficar mergulhada, mais forte será o tom do tingimento). Não tire a peça de roupa antes de 15 minutos de tingimento, pode ser que a tinta não "pegue".





Passo 4

* Assim que o tempo de tingimento tiver acabado, retire a peça de roupa de dentro da panela com ajuda de uma espátula

* Coloque debaixo de água corrente durante aproximadamente 3 minutos.

* Depois é só torcer a roupa e desamarrar os cordéis.

* Deixe secar à sombra.

A sua t-shirt tye-dye está pronta !




Dicas:

* Aqui algumas dicas de tipos de amarração que pode fazer e qual o resultado que dá.


 



 

* Não esqueça que a cor da tinta não é a que aparece no exterior do tubo do corante.

* O tingimento sobrepõe-se à cor da peça que vai tingir.

* Caso queira uma cor que não existe ( as cores do corante são básicas ), é só misturar duas cores diferentes.

* Quanto mais água colocar, mais fraca a cor do tingimento, se quiser cores mais intensas, coloque menos água do que recomenda o tubo de tinta.

* Cada marca de tinta tem as suas especificações, por isso a quantidade de água varia de fabricante para fabricante.

O Exemplo de tye-dye que usamos é o mais básico de todos. Agora que já sabe como funciona seja criativo e faça a sua própria t-shirt!

 

09
Nov07

Neo-hippies

EbduVm

Os neo-hippies surgiram no princípio do século XXI. O seu estilo é igual aos dos Hippies (roupas incomuns, cabelos compridos), no entanto, estes divergem em alguns pontos. Eles, ao contrário dos Hippies originais, não possuem nenhum fundo crítico, ou seja, não possuem nenhuma base contestatária, sendo mais conservadores que contestadores.

 

O uso de drogas psicotrópicas e alucinogénicas são comuns e por vezes exigidos em certas ocasiões. Ao contrário dos Hippies, estes não vivem em comunidade, apenas se encontram em cerimónias que envolvem canto e celebração da vida. São apreciadores de música dos anos 60 e 70 (Bob Marley, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Geneseis, entre outros). São extremamente saudosistas e nostálgicos recusando-se a conhecer a música dos seus dias.

 

Os neo-hippies são desprendidos de bens materiais e são por vezes socialmente excluídos devido às condutas que possuem, consideradas impróprias aos olhos da sociedade de hoje.

(clique na imagem para ampliar)

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Informações úteis

Visitar

Sobre que é este blog?

Este blog é dedicado ás várias Sociedades Utópicas e Medicinas Alternativas.

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D